velha chácara (2014)

 

Com título apropriado e inspirado no poema homônimo de Manuel Bandeira, esta fotografia busca refletir sobre a apreensão do tempo de um piscar de olhos, sobre o fugaz e aquilo que 'vejo-sinto' mas não posso tocar ou não mais existe ("ouço uma voz que esqueci").

 

Um mergulho nas imagens da memória.

"A casa era por aqui...

Onde? Procuro-a e não acho.
Ouço uma voz que esqueci:
É a voz deste mesmo riacho.

Ah quanto tempo passou!
(Foram mais de cinqüenta anos.)
Tantos que a morte levou!
(E a vida... nos desenganos...)

A usura fez tábua rasa
Da velha chácara triste:
Não existe mais a casa...

- Mas o menino ainda existe."

Manuel Bandeira

Técnica: Fotografia digital, impressa em papel algodão com pigmento mineral.

 

Dimensões 30x30cmx2cm.

 

Tiragem de 100 cópias e 2 PAs. Obra integrante do acervo permanente do Columbus Museum of Art,Ohio, EUA e do Museu Histórico de Campos - RJ